Um blog que surgiu do interesse de três colegas de profissão, profissionais de adoram o que fazem e não se cansam de trocar experiência, discutir o porquê de cada coisa, aprender e melhorar a cada dia nosso ofício. Junte-se a nós, apresente sua opinião de como você trabalha com o pilates, interaja.... será um prazer trocarmos nossas experiências!

25 de jun de 2010

Como você organiza suas aulas?

Você acha importante ter um controle individual das aulas de cada aluno do studio? Ou você consegue confiar em sua memória? Para você, isso pode ser considerado uma metodologia diferenciada ou resulta em mais trabalho para o instrutor?  Este é o nosso foco hoje: entender como os professores de pilates trabalham e verificar a interferência destas metodologias.

Vamos iniciar este bate-papo contando a nossa experiência atual. Trabalhamos em um studio onde os alunos têm a possibilidade de escolher seu horário e modificá-lo sempre que possível e, esta liberdade para o aluno, considerado até um diferencial, gera (de certo modo) a necessidade de que o professor do horário saiba exatamente o que o aluno realizou na última aula, quais são seus objetivos, que número de repetições ele tem realizado atualmente, o que ele pode/deve ou não realizar, entre outros detalhes que interferem na qualidade da aula e na comunicação entre um professor e outro.  Neste espaço trabalhamos com um grupo de no máximo três alunos por horário/instrutor onde, cada aluno realiza a sua série individualizada.

Para organizar nosso trabalho nós elaboramos uma ficha padrão onde na primeira parte além de dados pessoais, possui informações sobre o plano do aluno, horário que ele freqüenta o studio (se o aluno possui um horário fixo) e quantidade de aulas por semana, objetivos pessoais, objetivos sugeridos pelo professor, uma parte de observações e um quadro com uma ficha de avaliação postural (resumida) para que, além de preencher no início do plano o professor também visualize detalhes importantes com relação à postura possa fazer observações durante o decorrer das aulas.

Na segunda parte, uma seqüência de quadros em branco para cada aula dada, incluímos a data e descrevemos (durante e depois da aula) como ocorreu a sessão deste determinado dia. Neste espaço descrevemos: objetivos específicos do dia, exercícios realizados, número de repetições, relatos do aluno sobre a última aula ou o espaço de tempo entre a última aula e a do dia.

A descrição da aula com todos os seus detalhes auxiliam de uma forma toda positiva quando estamos nos preparando para atender este aluno, auxilia muito mais quando a última aula realizada por ele foi dada por outro professor ou quando você aparece para substituir o professor do horário e não conhece muito bem quem você irá atender.

Nesta ficha também temos a possibilidade de passar orientações para a aula seguinte e anotarmos informações sobre o aluno e esta ficha permanece sempre no studio de pilates.

Um dos grandes benefícios deste processo é a boa comunicação entre os professores do studio e um bom andamento dos objetivos propostos, podemos também acompanhar a evolução de cada aluno, exercício por exercício.  Apesar do aparente trabalho que estas anotações geram, aos nossos olhos isso se reflete em qualidade dos serviços prestados, em organização, praticidade para o planejamento da próxima aula sobrando até mais tempo para outras ações importantes durante a aula, ou equívocos. Acho importante ressaltar que todo este processo também não deva excluir a preparação da aula feita antecipadamente pelo professor.  

E você como trabalha? Você possui algum tipo de anotação? Você a faz metodicamente ou apenas descreve superficialmente? Você acredita que isso pode ajudar no seu trabalho ou pelo contrário, acha que é uma burocracia desnecessária?

Descreva como você trabalha, será interessante discutirmos sobre isso e quem sabe descobrimos uma forma de trabalhar diferente, podemos questionar nossos procedimentos e juntos podemos encontrar ferramentas que auxiliam nosso trabalho como professores de pilates.

Obrigada por aparecer e participe, será um prazer aprendermos juntos.

Postada  por Gerusa Silécia Gurak 

20 de jun de 2010

Artigo sobre Pilates, Flexibilidade e Futsal

Sabe-se que o Pilates envolve em sua metodologia a exploração de várias capacidades motoras, entre elas força muscular, coordenação, equilíbrio e flexibilidade. Partindo da ativação do core (centro de força), é possível unir capacidades em um mesmo exercício, como força e flexibilidade.

No esporte, a combinação entre as capacidades físicas é extremamente importante para o desenvolvimento da técnica. O futebol e o futsal são esportes que exigem força de potência e flexibilidade de seu atleta. Em um chute, o atleta necessita de força para projetar a bola até sua meta e da flexibilidade para adequar a amplitude de sua passada e de seu chute.

Porém, o objetivo maior dos programas de treinamento dessas modalidades é o fortalecimento visando o gesto do chute. Dessa forma, os atletas tendem a apresentar um considerável encurtamento da musculatura posterior da coxa, o que promove perda de rendimento e predispõe o atleta a lesões musculares.


Em 2007, foi publicada uma pesquisa na Revista Brasileira de Medicina do Esporte cujo objetivo era verificar o efeito de um programa de Pilates sobre a flexibilidade de atletas de uma equipe de futsal da categoria juvenil (17-20 anos). O procedimento da pesquisa foi separar os atletas em dois grupos, sendo que um grupo participou apenas de avaliações referentes à flexibilidade e o outro participou das avaliações e de um treinamento do método Pilates de quatro semanas, com freqüência de três vezes por semana e duração de 25 minutos por sessão. O estudo concluiu que o treinamento com o método Pilates apresentou efeitos agudos e crônicos referentes ao aumento da flexibilidade nos jogadores de futsal que participaram das sessões.


Mais uma vez, o Pilates se mostra um meio importante para o ganho da flexibilidade e ressalta sua importância junto ao esporte. O método é uma alternativa para prevenção de lesões no esporte.


Para conhecer melhor esse artigo, acesse o link de indicação de artigos científicos neste blog.

Postada por Vivane Vales